Os processos de aprendizagem organizacional e a inovação: um estudo de caso longitudinal (1986-1995) em uma empresa do setor petrolífero brasileiro

Título: Os processos de aprendizagem organizacional e a inovação: um estudo de caso longitudinal (1986-1995) em uma empresa do setor petrolífero brasileiro. (Clique para ter acesso ao Artigo Completo)

Resumo: A inovação é um dos fatores importantes para as empresas. No presente estudo, verificou-se como ocorrem os processos de aprendizagem organizacional voltados à inovação em uma empresa da indústria petrolífera. O método de trabalho utilizado foi o Estudo de Caso. Para a realização da pesquisa, que teve caráter exploratório, foram realizadas entrevistas com profissionais ligados a história da empresa. Os relatos a respeito dos processos de inovação foram descritos por meio de análise de conteúdo e, após, relacionados com a tipologia de inovação proposta por Schumpeter (1942), com os tipos de aprendizagem de Malerba (1992), com os modos de aprendizagem single e double loop de Argyris e Schön (1978), com as formas de conversão de conhecimento de Nonaka e Takeuchi (1997) e com os espaços de criação do conhecimento de Nonaka et al (1998, 2000). Os resultados da pesquisa indicam que inovações radicais, de modo geral, demandam uma gama maior de estilos de aprendizagem, em comparação com inovações incrementais. A internalização e a socialização tendem a predominar em inovações radicais. Já a externalização e combinação são mais freqüentes nas inovações incrementais. Finalmente, os resultados apontam para o fato de que as aprendizagens do tipo são relacionadas mais diretamente a inovações incrementais, ao passo que as de double loop são mais encontradas em inovações radicais.

Periódico: Revista Produção Online, v. 11, p. 526, 2011.

Autores: José Antônio Valle Antunes Jr, Ivan de Pellegrin, Rodrigo Pinto Leis, Marco Zimmer, Guilherme Luís R. Vaccaro, Daniel Pacheco Lacerda.